Pancs – Plantas Comestíveis não convencionais. Aquelas espécies de plantas de desenvolvimento espontâneo, facilmente encontradas em jardins, hortas, quintais e até mesmo em calçadas de rua. Infelizmente, muitas das espécies de Pancs são tidas pela população em geral e até pelos próprios agricultores como infestantes e daninhas ou “mato” – e por isso são pouco utilizadas na alimentação por falta de conhecimento ou costume. Estudos revelam que as Pancs possuem teores de minerais, fibras, antioxidantes e proteínas significativamente maiores quando comparadas às plantas domesticadas.

Na imagem da https://www.spdm.org.br são mostradas várias espécies de PANCs – plantas comestíveis não convencionais

As Pancs abrangem desde plantas nativas e pouco usuais até exóticas e silvestres com uso alimentício direto (na forma de fruto ou verdura) e indireto (amido, fécula ou óleo). Em geral, não fazem parte do cardápio diário da maior parte das pessoas e não costumam ser encontradas em mercados convencionais. Elas não são transgênicas e, na maior parte dos casos, são orgânicas.

Da Amazônia ao Rio Grande do Sul, as Pancs crescem espontaneamente em qualquer ambiente. Sua alta resistência faz com que sejam encontradas em quase todos os lugares, pois são nativas de cada região.

Para identificar essas plantas é preciso se informar com fontes seguras sobre o assunto, porque não existe uma regra exata para o reconhecimento. Saber o nome científico e procurar por ele na internet ajuda bastante. Aliás, é um perigo se ater a nomes populares, porque plantas comestíveis e venenosas às vezes são conhecidas pelo mesmo nome. Algumas plantas, como a taioba, podem confundir mesmo quem já conhece bastante o assunto. É preciso observar bem e ter guias confiáveis.

A seguir, listei 17 das espécies mais conhecidas e consumidas e suas principais características e ao longo das publicações, irei trazer para vocês, a historia completa de cada espécie, assim como receitas com deliciosas preparações.

Belíssima foto do Inhame https://www.brasildefato.com.br

Começaremos pelo INHAME que é bem conhecido de todos, mas que poucos sabem que pertencem ao grupo das PANCs. O inhame é um tubérculo rico em fibras, que ajudam a controlar a fome, evitar a prisão de ventre e diminuir os níveis de colesterol e açúcar no sangue, evitando doenças como a diabetes e a aterosclerose, que é uma inflamação causada pelo acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos.

Este vegetal também é rico em ferro, antioxidantes, vitamina C e ácido fólico, protegendo o organismo contra anemias e doenças como câncer, gripe e doenças do coração.

Como usar: o inhame tem a textura que lembra a da batata e um sabor suave. Por conter oxalato, o que pode inibir a absorção de minerais como o cálcio e o ferro, o inhame deve ser cozido e pode ser consumido como base de patês, em purê, em sopas, bolos ou em bebidas para substituir o leite de vaca.

Folhagens e flores do ora-pro-nobis https://www.floresefolhagens.com.br

ORA-PRO-NÓBIS – Uma espécies mais conhecidas, possui alto teor de proteína. É encontrada em abundância especialmente no Sudeste e Centro oeste. Trata-se de uma trepadeira, desenvolve-se facilmente em vários tipos de solo e de clima. Muito usada como cerca viva por ter espinhos grandes e bem afiados, além de florescer com belíssimas flores brancas levemente amareladas. É de fácil cultivo e tem alto valor nutricional. Rica em vitaminas do complexo B, A e C, fibras e fósforo. As folhas são sua parte comestível, podendo ser consumidas secas ou frescas, cruas ou cozidas e até acrescentadas as mais variadas preparações. Hoje, existe inclusive a farinha de ora-pro-nobis.

A Bertalha, perfeita também para trepadeira em muros e cercas vivas https://revistagloborural.globo.com

BERTALHA também da família das trepadeiras, possui caules roxos e folhas verdes, carnosas e suculentas, com aparência similar à do espinafre. É rica em vitamina A, além de oferecer nutrientes como vitamina C, cálcio e ferro. Tanto as folhas quanto os ramos novos devem ser consumidos logo após a colheita, refogados assim como acontece com o espinafre e a couve, ou ainda em preparações como sopas, omeletes, quiches e tortas. Em preparações como saladas, pode ser usada crua.

A serralha é uma das espécies considerada como mato, encontrada em jardins, ruas e praças

SERRALHA, eu diria que é uma das PANCs, mas encontrada por ai e que poucas pessoas sabem que é uma planta comestível. Nasce em qualquer lugar, principalmente em meio a gramados, são arrancadas como se fossem mato, porém, é fonte de vitaminas A, D e E. Desenvolve-se em quase todo o mundo. De sabor levemente amargo, pode ser usada nas preparações de refogados ou saladas.

A taioba, é uma das PANCs mais encontradas em ruas e locais frescos e molhados como em beira de lagos e rios, belíssima imagem by https://www.tuasaude.com

De folhas grandes, a TAIOBA ou TAIOBA MANSA é uma hortaliça que já foi muito apreciada na culinária mineira, mas acabou sendo esquecida e hoje volta com tudo sendo usada pelos melhores chefes do pais em preparações de alta gastronomia. Facilmente encontrada inclusive nas ruas, mas especificamente em locais bem arejados e com muita água.

A taioba é rica em nutrientes como fibras, vitaminas A, B e C, e minerais como cálcio, fósforo, potássio e magnésio que auxiliam no combate ao envelhecimento precoce da pele, fortalecem o sistema imunológico e evitam o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Além disso, o ferro presente na taioba ajuda no tratamento e na prevenção da anemia.

Araruta, muito bem representada nessa imagem do https://veggybanana.wordpress.com

ARARUTA tem seu amido recomendado para pessoas com restrições alimentares ao glúten. Considerada um alimento de fácil digestão, é indicada para idosos, crianças pequenas e pessoas com fragilidade física ou em recuperação de saúde.

Podemos citar, ainda, outras variedades: almeirão-do-campo, ariá, beldroega, capeba, capiçoba, capim-colonião, capuchinha, caruru, centela, chicória-do-campo, língua-de-vaca, ervilha-borboleta, jaracatiá, lírio-do-brejo, picão, rami, tanchagem, vinagreira e mais centenas de espécies que podem ser encontradas no Brasil.

A PHYSALIS é uma fruta com ótimas quantidades de fibras, que ajudam a manter o bom funcionamento do intestino e diminuir os níveis de colesterol e açúcar no sangue. A fruta também é fonte de vitaminas C e A, que protegem o organismo contra doenças como gripes e resfriados,  além de manter a pele firme e hidratada, prevenindo rugas e flacidez. Por ser uma fruta com baixas quantidades de calorias e rica em potássio, a physalis também ajuda na eliminação do excesso de líquidos do corpo, sendo indicada em dietas para perda de peso. Como usar: a physalis tem um sabor doce e ácido, podendo ser consumida in natura, adicionada a iogurtes, em saladas ou em molhos.

Existem duas espécies do araçá – o vermelho e o amarelo como na foto by https://www.sitiodamata.com.br

O ARAÇÁ é uma fruta com ótimas quantidades de fibras, ajudando a evitar prisão de ventre e a controlar a fome. Além disso, o araçá é uma PANC muito baixa em calorias e gorduras, podendo ser consumidas durante dietas para perda de peso. Esta PANC tem boas quantidades de vitamina C e antioxidantes, que fortalecem o sistema imunológico, ajudando a combater gripes e resfriados e a prevenir doenças como câncer e infarto.   Como usar: com um sabor parecido com a goiaba, mas um pouco mais ácido, o araçá pode ser consumido in natura, em sucos ou geleias.

O PEIXINHO DA HORTA, é uma PANC rica em antioxidantes, que fortalecem o sistema imunológico do organismo, ajudando a evitar o envelhecimento precoce, e prevenir doenças do coração, como infarto e aterosclerose, derrames e alguns tipos de câncer.  Este vegetal ainda tem boas quantidades de fibras, que contribuem para o bom funcionamento do intestino e no controle da fome. O peixinho da horta também é uma boa fonte de potássio, um mineral importante para o controle da pressão alta. Como usar: o peixinho da horta normalmente é consumido empanado, com uma textura e sabor que lembram o de peixe frito. Também pode ser usado picado em sopas, refogado, em omeletes e em tortas.

CÚRCUMA…AÇAFRÃO DA TERRA, ou seria raiz-de-sol…quem sabe açafrão-da-india. Uma PANC para se cultivar em casa, originária da Ásia, da familia das herbáceas Zingiberaceae, a mesma do gengibre, que possui uma raiz comestível e extremamente saborosa. Seu rizoma possui um cheiro forte e sabor picante e é ele que usamos fortemente na gastronomia. Sua coloração é incrível intensamente alaranjada, que nós remete a terra. A cúrcuma, mais especificamente seu rizoma, é muito confundida com o açafrão verdadeiro, qual na verdade é uma pequena estrutura da flor, o pistilo, da árvore Crocus sativus.

A Beldroega nessa linda imagem https://www.wemystic.com.br/

Essa é mais uma das espécies de PANCs que é facilmente confundida com “mato”, porém, a beldroega é uma das PANCs mais comuns, e que é consagrada por seus usos medicinais. Suculenta e rasteira, a planta apresenta pequenas flores amarelas e pode ser consumida de diversas maneiras e preparações cozida ou crua. Além de ser uma rica fonte de ômega-3, recomendada para problemas cardiovasculares, apresenta propriedades diuréticas, analgésicas e anti-glicêmicas, fazendo jus ao seu famoso poder curativo.

Hibisco é uma PANC, imagem via https://www.tuasaude.com/

IBISCO, essa planta que todo mundo conhece, que se encontra em inúmeros jardins e que todo mundo adora, é uma PANC altamente nutritiva, com ação anticoagulante e cicatrizante, considerada uma das melhores fontes de ferro, deixando inclusive o famoso espinafre para trás. Suas folhas jovens, flores e sementes são comestíveis e podem ser consumidas em diversas formas e preparações – cruas, refogadas, cozidas e principalmente em infusões. 

A AZEDINHA, que muitos conhecem como erva-vinagreira, é uma das PANCS mais famosas dentre os entusiastas da dieta Plant Based. Fazendo jus ao nome, apresenta um sabor ácido característico e pode ser consumida das mais variadas formas, tanto crua quanto cozida, em sucos, saladas, refogados, massas e sopas. Altamente nutritiva, a planta é fácil de ser cultivada mas não deve ser consumida em grandes quantidades, pois possui uma alta concentração de ácido oxálico.

Trapoeraba, uma PANC de beleza impar, foto by https://agropos.com.br/

A TRAPOERABA é uma planta alimentícia também muito confundida com erva daninha, por não necessitar de um solo rico para se desenvolver. De folhas e caules roxos, apresentam pequenas flores roxas, rosas ou azuladas, e são ricas em fibras e proteínas, com funções diuréticas, anti-inflamatórias e anti-reumáticas.

Quem nunca viu um coração de Bananeira, pois é, trata-se de uma PANC, linda imagem via https://claudia.abril.com.br/

MANGÁRA OU CORAÇÃO DE BANANEIRA, é comestível, trata-se da parte da planta em que nascem os cachos de bananas, retirado quando as frutas ainda estão verdes. Sua parte interna apresenta a mesma textura e coloração do palmito. Deve ser consumida imediatamente após ser retirada. O coração de bananeira possui flavonóides, compostos bioativos que atuam contra os danos oxidativos e neutralizam os radicais livres. É rico em nutrientes e carboidratos, que dão saciedade e diminui a ansiedade.

Picão Branco, uma das PANCS que mais são consideradas como erva daninha, foto via https://www.portalsyngenta.com.br/

O PICÃO BRANCO é Originário da América do Sul, e é uma das PANCS mais comuns de serem confundidas com erva daninha. Elas apresentam pequenas flores brancas, mas são suas folhas que possuem caráter medicinal. Com ação anti-inflamatória e cicatrizante, a planta também é conhecida por desintoxicar e regenerar o sistema hepático. É consumida em forma de chá e pode ser usada externamente, em banhos a base da planta.

Nativa do sub-himalaia, planicies do subcontinente indiano, essa hortaliça faz parte do time das PANCs. Bordas dentadas, com sua cor verde-escura, a MOSTARDA é um dos vegetais folhosos mais nutritivos. Também conhecida como mostarda-oriental, mostarda-castanha ou ainda mostarda-da-índia, pertence à família do repolho, brócolis e couve de bruxelas – a Brassicaceae. Com sabor ardido e muito aromática, tanto suas folhas como também as flores, sementes, caules e raízes são comestíveis e detém sabores deliciosas. As preparações mais comuns são das folhas refogadas, e também em sucos funcionais. Na culinária auyrvédica/indiana, as sementes são usadas como condimentos e vistas como especiarias que regulam e fortificam nosso corpo.

Essa é uma PANC da Fazenda Malunga – Bertalha

Se você ainda não esta me seguindo nas redes sociais, não sabe o que está perdendo, da uma olhadinha.

Share This
Participar