in ,

Juiz de Águas Claras autoriza divórcio sem ouvir uma das partes

Na última semana foi divulgada a decisão de juiz, cujo nome não foi divulgado,da 1ª Vara de Família de Águas Claras, que, em sede de tutela provisória, decretou a dissolução do vínculo conjugal e determinou a expedição de mandado para que o cartório competente averbasse o novo estado civil da parte solicitante.

A decisão foi tomada sem que o magistrado ouvisse a outra parte, o que causou estranhamento a muitas pessoas, inclusive pela declaração do juiz, que afirmou que ouvir a outra parte “não faz sentido”.

 “Ajuizada ação de divórcio e manifestando a parte autora a sua inequívoca vontade de se divorciar, por que fazê-la aguardar até o trânsito em julgado para se ver divorciada? Realmente, não faz sentido”, publicou o magistrado na decisão.

Para fundamentar a decisão, o juiz explicou que, apesar de o Código de Processo Civil não conter previsão específica quanto ao divórcio liminar, o caso preenche os requisitos necessários para permitir a decretação antecipada do fim do casamento.

O advogado Lucas Silva (OAB/DF nº 32.302) esclareceu a decisão do juiz:

“A situação se mostra interessante sob o ponto de vista de que, nesse caso, não houve sequer a apresentação de defesa pela outra parte, ou seja, o outro cônjuge não foi sequer ouvido, mas já está divorciado.
É evidente que há inúmeros entendimentos doutrinários sobre o assunto, sendo que há fortes argumentos favoráveis e contrários ao que foi decidido pelo magistrado.
No entanto, é de se ressaltar que a maioria da jurisprudência, com amparo no Novo Código de Processo Civil e nas alterações promovidas no Direito de Família pela emenda Constitucional nº 66/2010, entende ser cabível a decretação do divórcio de forma liminar, por este ser um direito potestativo incondicional da pessoa, de modo que não depende da anuência do outro cônjuge para ser efetivado.
Fato é que questões atinentes ao Direito de Família sempre estiveram na vanguarda das alterações legislativas e jurisprudenciais, vez que o Direito não pode servir para moldar a sociedade, mas justamente ao contrário, de forma que o Direito deve estar atento às evoluções sociais e a elas se adaptar.”

Lucas ressaltou, ainda, que em 1916 é que o Código Civil respaldava o juiz a tomar a decisão apenas se fosse de comum acordo das partes, ou ainda podia alegar que o motivo declarado não era suficiente para um divórcio e as pessoas eram mantidas casadas.

Ou seja, de acordo com as informações a decisão do juiz condiz com a atual concepção da sociedade que ambos precisam querer para estarem casados.

Avatar

Escrito Por Stéffany Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que você vê quando olha alguém?

O que você vê quando olha alguém?

Conselho de Cultura de Águas Claras faz lives em comemoração aos 17 anos da cidade

Conselho de Cultura de Águas Claras faz lives em comemoração aos 17 anos da cidade

Teste!