in ,

Parceria entre SENAI e GDF recupera respiradores da rede pública

Unidade do SENAI em Taguatinga já recebeu 50 equipamentos para manutenção; expectativa é que outros 100 sejam consertados até outubro

Por meio de um acordo de cooperação técnica firmado entre GDF e SENAI, a unidade da instituição em Taguatinga vai trabalhar na manutenção de até 150 respiradores da rede pública de saúde. Os equipamentos serão recuperados e devolvidos prontos para uso, em um esforço para aumentar a capacidade de atendimento a pacientes com sintomas graves da covid-19. O serviço será feito gratuitamente pelo SENAI durante 180 dias.

Um terço desses aparelhos já foi entregue a técnicos do curso de mecânica automotiva. Esses especialistas do SENAI são os responsáveis pela identificação de falhas, manutenção, testes de funcionamento e embalagem para entrega. Segundo o secretário de Saúde, Francisco Araújo, essa parceria vai ajudar a salvar vidas e reforçar a estrutura em hospitais e centros médicos.

“O mundo inteiro hoje tem dificuldade em conseguir mais respiradores. Quando colocamos o SENAI recuperando esses equipamentos para a nossa engenharia clínica, damos uma resposta mais rápida à sociedade. Cada respirador consertado é um leito com suporte respiratório para a população”, aponta.

O Instituto de Gestão Estratégica em Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) também deve participar do esforço para restaurar respiradores, fornecendo especialistas com experiência para ajudar os técnicos do SENAI. O órgão também vai disponibilizar equipamentos de proteção individual (EPIs) e fazer a calibração final dos respiradores.

O presidente da Federação das Indústrias do Distrito Federal (FIBRA), Jamal Jorge Bittar, garante que o trabalho será feito no menor tempo possível, visto que a situação é de extrema urgência.

“São equipamentos [respiradores] que estavam fazendo muita falta. É um equipamento extremamente importante que cuida de vidas. Estamos correndo atrás de peças de reposição e consertos”, indica.

Máscaras

O SENAI também fabrica protetores faciais do tipo “face shield”, que tem uma viseira semelhante à de um capacete e cobre uma área maior do rosto. Duzentas unidades já foram feitas em impressoras 3D e entregues à rede pública de saúde. Outras 1,8 mil unidades também foram montadas na unidade da instituição em Taguatinga, a partir de peças produzidas por integrantes do movimento “Brasília Maior que a Covid-19”, criado pelo médico residente Pedro Henrique Morais, do Hospital Universitário de Brasília (HUB).

Fonte: Agência do Rádio

O que achou dessa notícia?

0 points
Upvote Downvote
Stéffany Santos

Escrito Por Stéffany Santos

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comments

0 comments

Projeto veda venda casada de produtos com garantia estendida

Projeto veda venda casada de produtos com garantia estendida

Justiça determina reabertura escalonada do comércio no DF

Justiça determina reabertura escalonada do comércio no DF

Teste!