in ,

Judy: Muito além do arco íris

A atriz Renée Zellweger levou o Globo de Ouro pelo seu trabalho em “Judy”, a cinebiografia de Judy Garland. E está na lista de indicadas ao Oscar pelo mesmo trabalho.
Para começo de conversa aprendi que não devemos levar os prêmios tão a sério do ponto de vista artístico. Afinal de contas os prêmios, incluindo o Oscar, são um conjunto de ações de marketing bem sucedidas. Pra quem se interessar mais pelo assunto leia o link abaixo.
(http://cinemaemcena.cartacapital.com.br/…/79-quanto-custa-u…)

Já vi o filme e tenho algumas observações: o fato do roteiro não ser linear e começar contando os últimos dias de vida da atriz, quando a dependência em remédios e a decadência estavam presentes em sua vida, ainda assim há furos inacreditáveis quando, por exemplo, personagens aparecem e desaparecem deixando buracos na narrativa.

O diretor (Rupert Goold) usa uma técnica pouco criativa de flashbacks desde a infância nos estúdios da MGM , passando pelos casamentos desastrosos e dificuldade de relacionamento com os filhos e ex maridos. Pouco se fala do talento nato, bastidores dos filmes, relacionamento com familiares e colegas (o único citado é seu amigo Mickey Rooney) e trajetória artística.

O filme também não comenta ou aborda como foi o desenvolvimento emocional da jovem atriz quando era explorada por um mercado capitalista em nome da arte. Judy era uma garota que se achava feia, gordinha e sem graça e desenvolveu ao longo dos anos uma sensação de insegurança que a perseguiu e norteou toda sua vida, levando a uma morte causada por dependência em remédios para dormir, emagrecer e calmantes. Uma pena. Se tivesse sobrevivido a pressão talvez Judy Garland teria dividido seu talento e reinventado sua carreira com aconteceu com seu colega Mickey Rooney.
Já Renée Zellweger faz uma Judy que eu lembro de ver nos filmes. A atriz conseguiu incorporar a estrela, mesmo que por alguns instantes seja Renée novamente com seus trejeitos, caras e bocas que conhecemos de outros filmes.
“Judy” é um filme super estimado, com falhas narrativas graves e roteiro mal amarrado.
Não gostei. Esperava mais, afinal de contas sempre fui super fã dos musicais da época de ouro de Hollywood. Vi todos os filmes com Judy Garland e acho que ela merecia uma cinebiografia melhor.

stella.domenico@hotmail.com

Avatar

Escrito Por Stella Domênico

Coluna sobre a vida com textos cheios de opinião da conselheira de cultura de Águas Claras Stella de Domênico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Troca do Administrador de Águas Claras.

Troca do Administrador de Águas Claras.

Yoga e o combate a depressão e ansiedade

Yoga e o combate a depressão e ansiedade

Teste!