in ,

Crises

11/09/2018

| por:Natália Ribeiro

Crises. Quem nunca as teve? Nos últimos anos, a financeira tomou conta de muitos, mas a conjugal e a pessoal também bateu na porta – sabe-se lá se foi fruto da financeira. Mas as crises são momentos perfeitos para nos reinventarmos, para sairmos da caixinha. Algo sempre precisa morrer para que o novo renasça. Muitas das vezes, até mesmo mortes de entes queridos nos empurram para um novo caminho. É interessante analisar o comportamento das pessoas em meio a crises. Os muito arraigados em suas crenças costumam relutar para mudar. Mas, o quanto antes percebermos que o velho já não dá mais jeito em nossas vidas, menos difícil será a transição para o novo caminho. Veja que eu disse menos difícil, e não mais fácil. Mudar não é fácil, ainda mais quando somos obrigados a mudar, devido a uma crise.

Pessoas que costumam querer ter tudo sob controle sofrem muito quando algo não sai como planejado. Raiva, tristeza e indignação aparecem para elas quando a crise chega. Mas, a partir do momento que tomamos ciência de que a vida está nos empurrando para uma nova trajetória, é simples deixar fluir. Posso estar generalizando, mas ouso dizer que a maioria das crises só vêm porque a pessoa se estagnou demais onde não deveria e, para ela sair, precisou de um sinal árduo do universo que a empurrasse com gosto. É o que muitos dizem por aí: Deus chama pelo amor, mas, se você não vai, ele te puxa pela dor.

Portanto, se você está em uma crise – seja ela conjugal, financeira ou pessoal -, não hesite em respirar fundo e se conectar com seu eu interior. Isso vai facilitar a clareza das ideias. Durante o período de conturbação, muitos não conseguem tomar decisões sábias, pois ficam com medo. O medo nos impede de enxergar além. Uma pausa, todos os dias, vai bem para qualquer situação – em especial crises. Ajuda psicológica também pode ser um caminho que, embora oneroso, pode trazer muitos benefícios ao longo do tempo.

Twitter: natiribeiro95

Facebook: Natália Ribeiro

Natália Ribeiro

Escrito Por Natália Ribeiro

O que me fascina é o fato de poder mudar de ideia o tempo todo, sem ter vergonha disso. Sou metamorfose. Sou uma nova pessoa a cada segundo. Preciso, portanto, de reflexões sobre a vida. Não há conclusões certas ou erradas: há apenas filosofia. Vem comigo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projeto de Grades em Áreas Residenciais Avança na Câmara

Coluna Social 12/09 – O Que Rola em Águas Claras

Teste!